sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Assassino recebido como herói

Leio no Público on-line:

«O ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, David Miliband, declarou hoje à BBC Radio 4 que "as imagens de um assassino de massas a ser recebido em Tripoli como um herói são profundamente perturbadoras, acima de tudo pelas 270 famílias que choram todos os dias a perda dos seus entes queridos, há 21 anos, mas também por qualquer pessoa que tenha uma réstea de humanidade"

"Perturbador" é, quanto a mim, o mínimo que se pode dizer. Não sou da família das vítimas, não vivo em Lockerbie, nem nunca lá estive. Nem sequer sou escocês, mas fiquei profundamente chocado e triste com a notícia da recepção dada ao assassino Megrahi em Tripoli. Não que seja caso único, mas este é particularmente chocante e mostra que qualquer "aliança de civilizações" é ainda um mito (talvez seja um mito, mesmo sem o "ainda"). Há um fosso de mentalidades e a ilusão que alguns defendem de que os terroristas são uma minoria desenraizada é desmentida por estes comportamentos de massas.

1 comentário:

Arye disse...

Realmente um evento lamentável, mas não exclusivo. Pinochet também foi recebido como herói por alguns defensores no Chile. E Charles Manson, ainda hoje, possui uma legião de fãs... O que dizer? O que sentir? O que fazer? Resta-nos apenas torcer para que estes admiradores sejam parte de uma pequena minoria manifesta, não é mesmo? Ou estaremos perdidos...